03 de Março – Dia Mundial da Audição

Você sabia que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) existem 500 milhões de surdos no mundo e, até 2050, haverá pelo menos 1 bilhão em todo o nosso planeta?
Estudos do Instituto Locomotiva e a Semana Acessibilidade Surda ainda revelam que no Brasil, existem 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva. Desse total, 2,3 milhões têm deficiência severa. Se o Brasil tem 210 milhões de pessoas, as pessoas com deficiência auditiva representam 4,76% da população e entre estes, as com perda severa somam 23%! A surdez atinge mais homens do que mulheres e sua predominância é na faixa de 60 anos de idade ou mais (57%). Nove por cento das pessoas com deficiência auditiva nasceram com essa condição e 91% adquiriram ao longo da vida, sendo que a metade deles foi antes dos 50 anos. Entre os pesquisados, 87% não usam aparelhos auditivos.

A audição na terceira idade

A deficiência auditiva se agrava com o passar dos anos. Aqui no Brasil, nossa população está envelhecendo. Temos atualmente 59 milhões de brasileiros com mais de 50 anos. Até 2050, teremos mais de 98 milhões de brasileiros acima desta idade. As projeções ainda indicam que até 2060 o número de idosos chegará a 32% dos brasileiros.
Dois em cada três brasileiros relataram enfrentar dificuldades nas atividades do cotidiano. “Com isso, eles se divertem menos, têm menos chance no mercado de trabalho, não têm as mesmas oportunidades educacionais que os ouvintes têm”. A falta de acolhimento e inclusão limitam o acesso dos surdos às oportunidades básicas, como educação (somente 7% possuem o ensino superior completo; 15% frequentaram até o ensino médio, 46% até o fundamental e 32% não possuem grau de instrução).

Surdez e oportunidades de trabalho

Vinte por cento dos deficientes auditivos idosos não conseguem sair sozinhos e só 37% estão no mercado de trabalho. Como a população surda teve menos oportunidade de estudar do que a população ouvinte, ela tem mais dificuldade no mercado de trabalho do que as outras pessoas, por isso o dinheiro para conseguir o aparelho é ainda mais difícil. Esse conjunto de preconceitos que existem na sociedade acabam criando um círculo vicioso que não possibilita que os surdos e os ouvintes tenham as mesmas oportunidades.

Confira neste infográfico mais informações:

De tempos em tempos, todos nós precisamos checar como anda a nossa saúde auditiva; especialmente aqueles que estão em maior risco de perda auditiva – como adultos acima de 50 anos, aqueles que estão expostos a ruído no trabalho ou que ouvem música alta por longos períodos; até aqueles (mesmo jovens) que experimentam de problemas e infecções frequentes no ouvido.

Desde 2006, a Fundação Hear the World já apoiou mais de 90 projetos nos cinco continentes. A Fundação doa soluções auditivas, oferece suporte financeiro e organiza profissionais para prestar atendimento audiológico e treinar profissionais nessas áreas carentes. Além disso, envolve-se na prevenção de perdas auditivas, financia medidas para melhorar os cuidados básicos médicos e audiológicos e organiza de campanhas de conscientização. A Fundação é um projeto da Phonak e Grupo Sonova.
Conheça mais no vídeo abaixo:

Aqui na Digsom aparelhos auditivos fazemos nossa contribuição para um mundo melhor e sem isolamento acústico e social:

Eventos de conscientização e palestras;

Orelha gigante itinerante pelas cidades onde temos operação;

Natal solidário – evento anual onde os pacientes fazem a doação de seus aparelhos usados e em perfeito estado de utilização para outras pessoas.

Quer conhecer toda essa tecnologia de perto e fazer um teste gratuito? Entre em contato conosco por meio do telefone 0800 052 9191 ou Whatsapp (47) 99966 2034. Ouça melhor, viva melhor!

Fontes:
https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-10/brasil-tem-107-milhoes-de-deficientes-auditivos-diz-estudo
Alana Gandra, Agência Brasil, Instituto Locomotiva e Semana de Acessibilidade Surda, José Romildo.